Moody’s melhora perspectiva do país de negativa para estável


 

Economia - 15/03/2017 - 18:50:19

 

Moody’s melhora perspectiva do país de negativa para estável

Moody’s melhora perspectiva do país de negativa para estável

 

Da Redação com Abr

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Agência de classificação de risco Moody’s

Agência de classificação de risco Moody’s


A agência de classificação de risco Moody’s manteve o Brasil dois níveis abaixo do grau de investimento, mas melhorou de negativa para estável a perspectiva negativa para a nota do país, o que significa que a classificação da dívida pública brasileira não corre mais o risco de ser rebaixada a qualquer momento.

O grau de investimento representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública. Desde fevereiro do ano passado, o Brasil está enquadrado dois níveis abaixo dessa categoria.

Em comunicado, a agência de classificação de risco informou que a estabilização da economia e a queda da inflação ajudam a conter o crescimento da dívida pública. “A expectativa da Moody's é de que os riscos de deterioração refletidos na perspectiva negativa estão diminuindo e as condições macroeconômicas se estabilizando, enquanto a economia apresenta sinais de recuperação, com inflação em queda e cenário fiscal mais claro”, explicou a agência em nota.

De acordo com a agência, existem indicações de que o funcionamento da estrutura de políticas econômicas está melhorando as condições para o país adotar reformas estruturais. “As instituições estão recuperando sua solidez, o que dá sustentação à planejada implementação de reformas fiscais estruturais”, destacou o comunicado.

A Moody’s informou que espera o início da recuperação da economia brasileira para este ano, enquanto a situação financeira da Petrobras começou a melhorar. Apesar de ter custos para as contas do governo federal nos próximos anos, a renegociação da dívida dos estados, informou a agência, trará impactos limitados sobre os cofres federais.

“O surgimento, no ano passado, de um ambiente positivo para as reformas sinaliza a melhora do funcionamento das instituições que darão suporte à implementação da reforma fiscal e a aprovação da reforma da Previdência neste ano. Os riscos de passivos contingentes relacionados ao apoio financeiro à Petrobras diminuíram, reduzindo em consequência os riscos de deterioração, enquanto o custo fiscal do alívio da dívida concedido aos governos estaduais permanece limitado”, acrescentou a agência.

Apesar de ressaltar a melhoria do clima para a aprovação das reformas, a agência advertiu que existe o risco de a instabilidade política comprometer a aprovação de reformas como a da Previdência Social.

Repercussão

O presidente Michel Temer comemorou o anúncio da Moody's. Para ele, o resultado é um "reconhecimento" dos "esforços" do governo pela recuperação da credibilidade econômica, baixa da inflação e retomada do crescimento.

Em nota, o Ministério da Fazenda reiterou que a decisão da Moody's representa o reconhecimento de que o governo está tomando as decisões corretas. “A reavaliação pela Moody’s é um reconhecimento importante dos recentes esforços na recuperação fiscal e destaca os benefícios a serem alcançados com a efetivação das reformas”, comentou o texto.

A pasta reafirmou o compromisso da equipe econômica com as reformas que reequilibrem as contas públicas: “o governo federal reafirma o seu compromisso com a recuperação econômica, marcado pelo esforço na aprovação de reformas estruturais, com o objetivo de garantir a sustentabilidade das contas públicas, além de contribuir para a melhora do ambiente de negócios e aumento da produtividade”.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias



Alistamento militar para jovens que completam 18 anos vai até o dia 30


Festas juninas celebram a fartura no campo


Volkswagen confirma produção do novo Polo na unidade de São Bernardo


Sucesso! São Bernardo vai fabricar novos carros da Volks


Governo americano suspende todas as importações de carne fresca do Brasil


STF envia investigação sobre irmã e primo de Aécio para primeira instância