} .materia strong { color: #FFF; }


 

Politica - 15/04/2017 - 14:54:17

 

Setor de propinas da Odebrecht pagou R$ 10,6 bilhões entre 2006 e 2014

Setor de propinas da Odebrecht pagou R$ 10,6 bilhões entre 2006 e 2014

 

Da Redação com Abr

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Ex-diretor do setor de operações estruturadas da Odebrecht Hilberto Mascarenhas informou que os recursos eram movimentados em contas offshores no exterior (em paraísos fiscais)

Ex-diretor do setor de operações estruturadas da Odebrecht Hilberto Mascarenhas informou que os recursos eram movimentados em contas offshores no exterior (em paraísos fiscais)


O ex-diretor do setor de operações estruturadas da Odebrecht Hilberto Mascarenhas disse, em delação premiada, que a área criada dentro da empreiteira para fazer o pagamento de propinas movimentou mais de R$ 10,6 bilhões entre os anos de 2006 e 2014. Ao Ministério Público Federal (MPF), Mascarenhas informou que os recursos eram movimentados em contas offshores no exterior (em paraísos fiscais).

O ex-executivo disse que alertou ao então presidente da empresa, Marcelo Odebrecht, sobre os valores pagos em propina, que, segundo ele, estavam muito altos.

“Estava preocupado, muita gente participando das obras, e pressionei. Fui a Marcelo [Odebrecht], várias vezes, e disse: não tem condição, US$ 730 milhões é bilhão [em reais]. Nem um mercado tem essa disponibilidade de dinheiro por fora e não tem como operar isso. É suicídio”, afirmou. Segundo ele, como resposta, Marcelo Odebrecht deu orientação de “segurar”.

O ex-diretor do chamado setor de propinas disse que cada executivo responsável por obras da Odebrecht podia solicitar o recurso para fazer as obras andarem. Segundo ele, os gerentes das obras recebiam bônus se atingissem as metas definidas para cada empreendimento.

“Se você der aquele resultado você ganha tanto. [Então] você quer que o mundo se acabe, [mas] você quer atingir aquela meta e colocar no seu bolso, o seu milhão [no bolso]. Se fazia qualquer coisa que tinha que fazer e atingir”, afirmou.

Segundo Mascarenhas, a prática foi banalizada. “Tem que tratar esse assunto como um extra, uma necessidade. Não como prazer de comprar alguém. Já estava virando um prazer de comprar [as pessoas] e isso me incomodava”, disse, ao contar que os valores pagos pelo setor da propina caíram em 2014 depois que ele pressionou Marcelo Odebrecht.

O ex-diretor relatou ainda, que para proteger a identidade de quem recebia a propina, o responsável por determinada obra da empreiteira dava um apelido para o beneficiário do dinheiro.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias



Banda Malta lança a nova série de vídeos no YouTube, Spotify e Deezer hoje, dia 24 de maio


Após adiar decisão, CCJ marca nova reunião e exclui da pauta PEC das Diretas


Candidatos têm até hoje para pagar a taxa de inscrição do Enem


Operadoras de telefonia criticam proibição de franquia limitada de banda larga fixa


Nicolás Maduro assina decreto com proposta para eleger Assembleia Constituinte


Depois de muito bate-boca, relatório da reforma trabalhista é dado como lido em Comissão do Senado