} .materia strong { color: #FFF; }


 

Nacional - 18/04/2017 - 18:29:47

 

Rodrigo Maia condena tentativa de invasão da Câmara

Rodrigo Maia condena tentativa de invasão da Câmara

 

Da Redação com Agência Câmara

Foto(s): Divulgação / Cleia Viana / Câmara dos Deputados

 

Manifestação de Policiais Civis de todo o país contra a reforma da previdência

Manifestação de Policiais Civis de todo o país contra a reforma da previdência


O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, condenou a tentativa de invasão na tarde desta terça-feira (18), durante manifestação da União de Policiais do Brasil, entidade que reúne sindicatos e associações de várias categorias da segurança pública.

Com apoio de centrais sindicais, eles protestavam contra a reforma da Previdência (PEC 287/16). O parecer deve ser apresentado hoje na comissão especial que discute a proposta. 

Durante o protesto dos policiais, foram quebrados vidros de uma das entradas da Câmara. Para Maia, a tentativa de invasão prejudica a imagem da polícia perante a sociedade.

“Se chegamos a esse ponto em que a polícia quebra o patrimônio público, invade o Parlamento sem necessidade, qual a sinalização que vamos dar ao cidadão? Que a gente tem uma polícia que, em vez de defender, ataca? Essa sinalização é ruim para a corporação”, criticou.

O presidente da Câmara avaliou que a atitude dos policiais não foi correta por tentar intimidar os parlamentares. “Vamos continuar debatendo e dialogando, mas não precisa quebrar o patrimônio público. Vamos manter o diálogo com quem quer o diálogo”, disse, que pretende começar a votação em Plenário já no dia 8 de maio. 

Reivindicação

Alguns invasores foram detidos, mas ainda não tiveram os nomes divulgados. De acordo com o deputado Major Olímpio (SD-SP), uma pessoa foi conduzida para o Departamento de Polícia Legislativa da Câmara, mas não ficou comprovada a participação na depredação dos vidros.

“Alguns milhares de policiais, da forma mais justa e legítima, estavam posicionados no gramado, fazendo uma manifestação. Algumas lideranças quiseram entrar para protocolar um pedido de afastamento do relator”, afirmou Major Olímpio.

Vice-líder do DEM, o deputado Pauderney Avelino (AM) criticou o protesto. Para ele, é preciso dialogar e buscar um entendimento. “Foi uma baderna. O protesto foi lamentável. Acho que é legítimo, é democrático, mas não dessa forma. Se for feito o diálogo, podemos chegar a entendimentos, como estamos chegando a [outros] entendimentos.”

O líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), afirmou que o ambiente de radicalização política é de responsabilidade do governo federal. “O governo está levando o País para a radicalização e a convulsão social, pois quer fazer a reforma na marra. O trabalhador, seja da Polícia Civil ou de outra categoria, está tendo seu direito suprimido. Vai fazer o quê? Vai lutar, e aí começa o conflito”, disse.

Trabalhos mantidos

Alguns deputados rejeitaram a manutenção da sessão plenária desta terça-feira. “É preciso suspender a sessão diante do enfrentamento desnecessário que ocorreu. A Câmara não pode objetar a entrada de ninguém da sociedade”, afirmou Bebeto (PSB-BA).

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias



Banda Malta lança a nova série de vídeos no YouTube, Spotify e Deezer hoje, dia 24 de maio


Após adiar decisão, CCJ marca nova reunião e exclui da pauta PEC das Diretas


Candidatos têm até hoje para pagar a taxa de inscrição do Enem


Operadoras de telefonia criticam proibição de franquia limitada de banda larga fixa


Nicolás Maduro assina decreto com proposta para eleger Assembleia Constituinte


Depois de muito bate-boca, relatório da reforma trabalhista é dado como lido em Comissão do Senado