Como empresários e autônomos devem garantir seu futuro frente às mudanças previdenciárias do país?


 

Opinião - 26/06/2017 - 07:14:13

 

Como empresários e autônomos devem garantir seu futuro frente às mudanças previdenciárias do país?

Como empresários e autônomos devem garantir seu futuro frente às mudanças previdenciárias do país?

 

Adão Lopes * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Adão Lopes é mestre em tecnologia e CEO da VARITUS Brasil, empresa que mantêm o Portal Digifisco

Adão Lopes é mestre em tecnologia e CEO da VARITUS Brasil, empresa que mantêm o Portal Digifisco


Ter condições de se aposentar se tornou algo mais complicado no Brasil. As reformas propostas, a condição econômica em que o país se encontra, tudo isso gerou um caos nos planos daqueles que já tinham alguns direitos garantidos. Quem dirá daqueles que trabalham por conta própria, os autônomos.

Apesar de iniciativas como o MEI, que facilitam alguns aspectos da vida fiscal de algumas categorias de autônomo, a aposentadoria ainda é uma das grandes incógnitas da vida profissional, mesmo desses empresários. A previdência é anunciada como “falida” há anos; as regras mudaram para contribuição; o dinheiro não para de se desvalorizar e é cada vez mais complicado garantir um futuro seguro. É por isso que previdências privadas, ou complementares, estão cada vez mais em voga.

Recentemente, um estudo feito pelo Instituto de Longevidade de Mongeral Aegon, em parceria com centros de pesquisa da Holanda e Estados Unidos, mostrou que 44% dos autônomos brasileiros tem plena confiança de sua aposentadoria. Dos 1100 entrevistados, 48% já possui um “Plano B” para não contar com o governo, mesmo no regime de MEI, e 34% afirmam poupar para o futuro.

Os autônomos são a classe trabalhadora que mais cresce no país, principalmente devido ao desemprego que só aumenta. A preocupação em poupar é algo que já não pode ser evitado, principalmente porque adiada, ou não, a reforma virá, e é preciso se precaver para vários cenários. Esse é um movimento positivo no Brasil. Muitos países já incentivam essa cultura desde cedo.

O brasileiro parece estar acostumado a ter alguém preocupado e responsável por seu futuro, em seu lugar. Não que as leis trabalhistas sejam ruins, não estou aqui para julgar isso, mas faltava ao cidadão maior controle sobre seus recursos. Se pessoas fossem ensinadas a lidar melhor com o dinheiro desde pequenas, mesmo aqueles que ainda trabalham como CLT teriam planos e futuros muito melhores.

O controle financeiro possibilita liberdade, provê a chance de abraçar oportunidades diversas e crescer independente de um patrão e uma empresa. Essa é uma mentalidade que precisa ser mudada e que permite sobreviver no mundo de hoje. Infelizmente, o povo brasileiro precisa correr atrás de mudar sua mentalidade com mais urgência para sobreviver ao tempo turbulento.

É por isso que até mesmo para o autônomo, a contabilidade é tão importante. Talvez não seja possível para ele contratar uma agência, mas muitas vezes ele consegue gerenciar muito de sua vida fiscal através de softwares, como os de emissão de notas fiscais, e um pouco de esforço em aprender a cuidar melhor de seu dinheiro. O conhecimento contábil tem muito valor útil no cotidiano e isso melhoraria as coisas em muitos aspectos.

Além disso, não se deve esquecer que tempos de crise também apresentam oportunidades e pode ser em uma dessas chances que a empresa cresça e precise mais do que nunca de uma boa gestão fiscal, mesmo ainda sendo uma pequena empresa. O autônomo, em nenhum momento pode deixar de ser atento com seu futuro.

Outra situação é que mesmo como autônomo é possível contribuir com o INSS como contribuinte individual. Isso garante uma aposentadoria pela previdência no futuro. Os anos de contribuição de contribuição serão contados e mesmo que o cidadão ainda trabalhe na época em que já puder se aposentar, ele terá possibilidades, inclusive de ampliar um pouco os valores a serem recebidos.

Dá um pouco mais de trabalho pagar o INSS dessa forma, mas vale muito a pena. É possível pagar o INSS seguindo poucos passos. Primeiro se faz uma inscrição no Programa de Integração Social, o PIS, onde se escolhe o tipo de contribuição, se preenche uma Guia de Previdência Social, que te permite fazer o pagamento do documento. Escolher o tipo de contribuição dá mais trabalho, mas no próximo mês é só pagar o novo boleto.

O contribuinte individual do INSS é aquele que trabalha por conta própria e presta serviços à pessoa física. É preciso se informar bem sobre os tipos de contribuição possíveis. As regras de aposentadoria estão em mudança, e por isso vale a pena conferir isso na época, e manter-se sempre atualizado.

Há contadores que ajudam em consultas do tipo e prestam serviços de auxílio. O importante é não deixar para lá e contar com a sorte. O futuro é incerto, mas algumas coisas se pode deduzir. Uma delas é que é melhor estar segurado, protegido e independente, sobretudo quando se é autônomo.

* Adão Lopes é mestre em tecnologia e CEO da VARITUS Brasil, empresa que mantêm o Portal Digifisco.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias



Enem: temas de atualidade são tão importantes quanto conteúdo aprendido em aula


Caetano Veloso processa MBL e Alexandre Frota por ser chamado de pedófilo


Espanha decide destituir presidente da Catalunha e convocar eleição regional


Tropicália 50 anos: A história do movimento que marcou a cultura nacional


Senacon investigará aéreas por dizer que bagagem cobrada baratearia passagens


IGP-M acumula deflação de 1,3% em 12 meses