Temer: Sim ou Não?


 

Opinião - 03/08/2017 - 01:07:39

 

Temer: Sim ou Não?

Temer: Sim ou Não?

 

Vicente Barone * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Vicente Barone é analista político, editor chefe do Grupo @HORA de Comunicação, foi executivo de marketing em empresas nacionais e multinacionais, palestrante nacional e internacional em marketing social, cultural, esportivo e trasnporte, além de ministrar aulas como professor de 3º

Vicente Barone é analista político, editor chefe do Grupo @HORA de Comunicação, foi executivo de marketing em empresas nacionais e multinacionais, palestrante nacional e internacional em marketing social, cultural, esportivo e trasnporte, além de ministrar aulas como professor de 3º" e 4º graus


Nossa defesa, aqui, sempre foi contra a corrupção. Não temos dúvidas quanto a importância da Lava Jato para que possamos repaginar a história nacional.

Ontem, uma nova decisão parou o país. Mais uma crise política para avaliar. Desta vez quanto à autorização, para que o atual presidente da república, pudesse ser processado pelo STF, conforme pedido da PGR.

Os deputados federais se dividiram. Alguns a favor de que Temer fosse processado e outros não. As pesquisas apontam que o desejo da população fosse de que sim, mas será que essa população sabe as consequências disso?

Não estamos defendendo quem quer que seja, mas qual o real interesse de cada um nessa história. A oposição, formada por petistas, ex-petistas que mudaram de partido e outros mais alinhados à esquerda querem "Eleições Já", ou mesmo aqueles com direcionamento mais à direita, como o caso de Bolsonaro, também queriam que Temer fosse processado e que houvessem novas eleições.

Será que o interesse era pela população? Vamos ver....

A Constituição é clara nessa situação. Caso Temer fosse processado, deveria se afastar do cargo e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, assumiria. Sentado na cadeira presidencial, em até 6 meses, deveria convocar uma eleição indireta onde os parlamentares escolheriam um nome para cumprir o restante do mandato presidencial que finaliza em 31 de dezembro de 2018. Nem Maia e nem esse novo nome escolhido teriam condições de fazer ou implantar qualquer situação que viesse a ter efeitos positivos para o país. A situação, portanto, seria de total estagnação enquanto não houvesse um mandato de verdade, escolhido pelo povo, diante de projetos e um plano de governo aprovado nas urnas.
Nesse momento e com esse argumento surgem os defensores de uma eleição direta. Na minha opinião uma baboseira sem tamanho! Para que isso seja possível é preciso uma PEC (Projeto de Emenda Constitucional) que deve tramitar pelas casas (Congresso=Câmara+Senado) e obter 2/3 (dois terços) dos votos no Congresso para que fosse autorizado convocar novas eleições.

Em dez meses inicia a campanha (normal) para eleição de deputados federais, estaduais, senadores, governadores e presidente, ou seja, em junho de 2018. Para aprovar a PEC é preciso cumprir um rito que levaria o caso, na melhor das hipóteses, para votação (após cumprir todos os passos regimentais) para o final do ano de 2017. Supondo sua aprovação, teríamos os prazos para a definição dos candidatos, registro dos mesmos, início da campanha efetiva e, também, para a convocação de mesários, treinamento e montagem do sistema eleitoral em todo o país, somente para se escolher o presidente e tudo se repetiria, em uma mesma escala, para os demais cargos eletivos, que mencionamos, que devem ser renovados em 1º de janeiro de 2019.

Seria alocado o dobro da despesa, com essa eleição extra, e com todo o processo no Congresso Nacional. Alguns "bilhões" de reais  seriam gastos que poderiam ser investidos em benefícios diretos à população, isso sem contar os acertos e negociações com deputados e senadores para a aprovação ou não da PEC.

Então qual o verdadeiro interesse desses grupos que querem "Eleições Já"? O grupo da esquerda quer dar condições para que seu maior expoente, o ex-presidente Lula, tenha reais e seguras condições de se candidatar antes da decisão de 2ª instância em processo que foi condenado, pois, se isso ocorrer, não poderá se candidatar. O da direita, capitaneado por Bolsonaro, é aproveitar o momento e surfar com maior tranquilidade no voto de repúdio, que cresce, a cada dia, com as notícias de corrupção e, no cenário internacional, com os abusos de Maduro na Venezuela.

Então, manter Temer, é a melhor opção para o Brasil de agora e, quando deixar a cadeira de presidente, será processado em tribunal de 1ª instância. A escolha, portanto, foi de, apenas, adiar o início do processo e não extinguir sua continuidade.

Não importa o lado, esquerda ou direita, o interesse não está no que o povo precisa ou merece, mas em meras estratégias de "retorno ao poder" ou de se destacar em um verdadeiro efeito "Enéas".

* Vicente Barone é analista político, editor chefe do Grupo @HORA de Comunicação, esteve à frente de diversas campanhas eleitorais como consultor político e de marketing, foi executivo de marketing em empresas nacionais e multinacionais, palestrante nacional e internacional para temas de marketing social, cultural, esportivo e de trasnporte coletivo, além de ministrar aulas como professor na área para 3º e 4º graus - www.barone.adm.br

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias



Chanceler venezuelano chama presidentes do Brasil e do Paraguai de "imorais"


Praias de Santos passam a ser geridas pela prefeitura a partir do dia 21 de agosto


Inscrições para vestibular da USP podem ser feitas até 11 de setembro


Ministro diz que são falsas notícias de que salário mínimo será reduzido


Inscrições para o ProUni terminam sexta-feira para estudantes não matriculados


Temer está Maduro para cair. Maduro tem tudo a Temer.