Merkel e Schulz disputam eleições para chanceler no fim de setembro na Alemanha


 

Internacional - 04/09/2017 - 10:39:43

 

Merkel e Schulz disputam eleições para chanceler no fim de setembro na Alemanha

 

Da Redação com agências

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

A chanceler alemã Angela Merkel e seu concorrente Martin Schulz disputam as eleições que ocorrem em 24 de setembro na Alemanha

A chanceler alemã Angela Merkel e seu concorrente Martin Schulz disputam as eleições que ocorrem em 24 de setembro na Alemanha


Angela Merkel e Martin Schulz vão disputar, em 24 de setembro, o cargo de chanceler da Alemanha. Segundo as últimas sondagens, a atual chanceler lidera as pesquisas e tem grandes chances de conquistar um quarto mandato. 

Neste domingo (3), Merkel e Schulz participaram do único debate televisivo da campanha, visto como a principal oportunidade para os candidatos convencerem os cerca de 40% dos eleitores indecisos. O debate foi transmitido pelos quatro principais canais de televisão alemães e acompanhado por cerca de 20 milhões de espectadores, segundo informou a empresa pública de comunicação Deutsche Welle (DW).

De acordo com analistas, apesar de Schulz ter atacado duramente Merkel com questões sobre imigração e relações com a Turquia, a atual chanceler se saiu melhor no debate e segue com a maioria das intenções de voto. Merkel está no poder há 12 anos.

Antes do debate, Merkel apresentava uma vantagem de aproximadamente 15 pontos em relação a Schulz, que é ex-presidente do Parlamento Europeu e deixou o cargo no ano passado, para se candidatar ao posto de chefe de governo. Uma nova sondagem, realizada pela emissora pública ARD e divulgada após o debate, revelou que Merkel tem 55% das intenções de voto, contra 35% de Schulz.

A disputa, que envolve o país com maior população entre os estados-membros da União Europeia (82,2 milhões de habitantes), foi marcada por temas como a relação com a Turquia e a migração nos próximos 4 anos.

A primeira crítica de Schulz em relação à Merkel foi justamente sobre a sua política durante a crise dos refugiados que, segundo ele, não foi unânime dentro da UE. Merkel defendeu-se afirmando que a Alemanha passou por uma situação muito dramática e que “há momentos na vida de uma chanceler que exigem que se tome logo uma decisão”.

Já em relação ao fim das negociações para a adesão da Turquia à União Europeia, ambos os candidatos concordaram. "Ficou claro que a Turquia não deve se tornar membro da União Europeia", afirmou Merkel. "Quando eu for chanceler, cancelarei as negociações de adesão", disse Schulz.

Segundo o jornal britânico The Guardian, o posicionamento dos dois candidatos é muito semelhante em relação a diversos assuntos e o principal desafio de Schulz foi distanciar o seu partido, SPD, do CDU (partido de Merkel), pois ambos estiveram coligados duas vezes sob a administração de Merkel e têm propostas parecidas.

Schulz acusou Donald Trump de levar o mundo à beira de uma crise com seus posts no Twitter e defendeu que a Alemanha deveria trabalhar com os parceiros europeus, o Canadá e o México para fazer a oposição a Trump.

Ao receber críticas à sua política interna, Merkel disse que, ao longo dos seus 12 anos de mandato, o número de desempregados baixou de 5 milhões para 2,5 milhões. Ela negou, veementemente, os rumores de que seu partido irá aumentar a idade da aposentaria para 70 anos.

 



;

Links
Vídeo
Turismo SBC


Últimas Notícias




Câmara aprova decreto de intervenção no Rio de Janeiro


Vereadores petistas querem indenização da prefeitura de São Bernardo


MTST realiza discursos políticos contra reforma da Previdência em São Bernardo


MTST descumpre acordo e faz passeata em São Bernardo


Temer convoca Exército para intervir na segurança do Rio de Janeiro


Justiça manda Corinthians e Odebrecht devolverem R$ 400 milhões para a Caixa