Violência na escola
SBC


 

Opinião - 11/01/2018 - 08:49:58

 

Violência na escola

 

José Renato Nalini * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove


Ninguém fica feliz quando assiste a uma cena de violência. Menos ainda, quando ela ocorre na escola. A escola tem uma simbologia evidente. É o lugar destinado a preparar a criança e o jovem para um convívio harmônico. Sem coesão social não existe sociedade civilizada. O treino para a difícil arte de partilhar interesses, sentimentos e sonhos se faz em casa, mas também na escola.

 Parece ter recrudescido nos últimos tempos o fenômeno lamentável de agressões, entreveros físicos, ofensas verbais e vandalismo praticado dentro de uma unidade predestinada a promover a paz. Nada justifica essas ocorrências, às vezes com envolvimento de adultos que tomam partido. Nem sempre o partido correto, pois há quem procure defender o indefensável.

 A Rede Pública da Educação Paulista é complexa e gigantesca. Mais de 5.400 escolas, cerca de 4 milhões de alunos, 400 mil pessoas a depender de sua folha de pagamento, em ano de crise interminável.

Nada obstante, há estratégias de promoção do entendimento. Acredito muito no Programa "Escola da Família", com estímulo à participação de pais e comunidade na vida escolar. Sábados, domingos e feriados recebem aqueles que quiserem participar de atividades lúdicas e comunitárias, para mostrar que a escola é do povo. Foi construída com dinheiro do povo, funciona custeada pelo povo e se tiver de receber reforma para reparos que não sejam os decorrentes do desgaste natural, será dinheiro do povo mal empregado. Desperdiçado, porque poderia se destinar a outros intuitos. Principalmente quando se cuida de educação, para cuja consecução todo orçamento é pouco.

Também a instituição do Professor Mediador é algo louvável. Precisa ser incentivada e intensificada. Vicissitudes impediram que houvesse incremento, mas a causa é nobre e merecerá a devida atenção assim que houver possibilidade de retomada com novo ritmo.

Não se pode descartar a atuação da Polícia Militar, sempre amiga da escola e da criança. O Brasil precisa despertar para o respeito que a polícia merece. Quem não gosta de polícia é bandido, não gente honesta. Esta deve enxergar no policial um amigo, um protetor, um fator de segurança indispensável em eras de ressentimento, a se converter em ira e em violência gratuita.

Louve-se também um acervo de iniciativas conducentes à edificação de um clima de harmonia e paz. ONGs como "Um milhão de amigos", da Professora Eliete, o Projeto de Lei 336, de 2017, do Deputado Marcos Damásio, que institui a Campanha "Aluno Consciente", as palestras de pessoas gradas que vão levar o único recado coerente nestes tempos difíceis: conviver é preciso e o convívio com o respeito à diversidade, às diferenças e a outras características ínsitas ao ser humano, é a alternativa à vitória do caos. Ninguém quer uma sociedade fraturada e dividida, mas um Brasil coeso e forte, rumo à reconstrução de seu destino de glórias.

* José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo e docente da Uninove

 



;

Links
Vídeo
SBC


Últimas Notícias



Avante não terá candidato próprio na disputa à Presidência


PMN decide não ter candidato à Presidência nem fazer alianças


Processos eleitorais serão prioridade na Justiça a partir desta sexta-feira


Em São Bernardo, roda de Capoeira é atração do fim no Riacho Grande


Pioneira na região metropolitana, São Bernardo lança biometria facial nos ônibus para gratuidades


Prefeito Orlando Morando vistoria obras de duplicação do viaduto Teresa Delta